quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

"O país não é rico, está em crise e tem um défice para resolver, é preciso distribuir os custos por alguém”

O geógrafo Álvaro Domingues manifestou-se hoje favorável à cobrança de portagens em todas as auto-estradas sem custos para os utilizadores (SCUT), defendendo um sistema de pagamento que se adeque ao tipo de utilização.

continuação da notícia, aqui.

in Público.pt

O nosso país está cheio de indivíduos que gostam de opinar sobre tudo e mais alguma coisa. O mais curioso é que uma grande percentagem destas pessoas, quando fala, gosta também de generalizar. "Se eu penso desta forma, toda a gente pensa da mesma maneira", este é o raciocínio dos ditos iluminados. Então se, por ventura, tiverem publicado um livro ou um artigo sobre a matéria, aí é que já não há mesmo nada a fazer.
Repare-se na seguinte afirmação do geógrafo a respeito do pagamento de portagens em todas as SCUT: "Eu acho que as pessoas vão entender isso muito bem". O que terá levado o excelentíssimo geógrafo a ter tanta certeza? Há algum estudo a sustentar a sua opinião? É também economista? Mas porque raios disse ele aquilo? Parece-me que há aqui um interesse qualquer que não tem só a ver com a preocupação em reduzir o défice. E sim, ficou bem na "fotografia".
Os políticos e os ignorantes falam de tudo e mais alguma coisa, os engenheiros falam de saúde, os advogados de política, os economistas de educação, os farmacêuticos de marketing e por aí fora. Enfim, toda a gente opina sobre assuntos que não dominam e esquecem-se do mais importante: as suas áreas de formação. Porque é que não se "contentam" com o curso que tiraram e desenvolvem conhecimentos extra que realmente possam vir a dar algum contributo para Portugal?
Tenho-me vindo a deparar com esta realidade desde tenra idade, mas considero que a situação está agora mais grave do que nunca. Sou um eterno estudante, até mesmo no que diz respeito à minha área de formação. Talvez por considerá-la extremamente complexa. Mas isso sou eu, que quanto mais conhecimento adquiro, maior é o grau de certeza da minha ignorância.

2 comentários:

Ana disse...

É caso para dizer... "cada macaco no seu galho" :)

Porque não fazes umas crónicas para um jornal? Ou o jornalismo está mesmo OFF?

Kiss

Luis Monteiro disse...

Para mim, o jornalismo está mais morto que o D. Afonso Henriques. ehehe

Beijo