terça-feira, 17 de novembro de 2009

Onde estão os jovens empreendedores de Seia?

Numa altura que tanto se fala em empreendedorismo, na ausência de políticas de auxílio aos jovens, não se encontra justificação para o desinteresse pelo concurso promovido pelas instituições Caixa de Crédito da Serra da Estrela, Fundação EDP, Câmara Municipal de Seia e Associação dos Antigos Alunos do Colégio Dr. Simões Pereira, em homenagem ao advogado José Nunes Pereira, uma das figuras que em Seia mais se destacaram ao assumir riscos e em empreender novas actividades de desenvolvimento no sector económico e social.
O prémio de 5.000 euros destinava-se a premiar o projecto de inovação que fosse considerado com maior qualidade, com objectivos económicos e de desenvolvimento da Região de Seia.
Apesar dos convites enviados às Escolas de Seia, incluindo a Superior e aos seus estudantes ou formandos, não houve projectos apresentados, tendo apenas sido enviado um estudo que o júri considerou não possuir os requisitos exigidos para o concurso. O prémio não foi por isso atribuído.
Esperam os promotores que o próximo ano traga muitos concorrentes com iniciativa e com capacidade para assumir desafios para bem do desenvolvimento da região.

in Porta da Estrela online

E agora, a culpa é dos jovens ou dos promotores?

5 comentários:

Batista disse...

Esta geração..é a geração da desgraça..se fosse um torneio de poker, ou estudo de qual a ganza que mais bate..eles apareciam..

Rita disse...

a meu ver a culpa não é só dos jovens. na altura que abriu o concurso para o prémio dr josé nunes pereira andei mais ou menos em cima do assunto, e devo dizer que a informação disponibilizada era pouco mais que confusa, actividades que promovam o desenvolvimento do conselho...mas quais os sectores de actividade priveligiados? para além disso, 5000€ é dinheiro, mas pouco ou nada para começar um negócio. Porque não foi o seiaempreende divulgado nesta altura? Eu só tive conhecimento dele no final da campanha eleitoral... os programas de financiamento do FINICIA são deveras muito mais apelativos!
Tenho quase se a certeza que se houver mais informação (de preferência clara) sobre o assunto, surgirão muitos mais projectos!

Eduardo disse...

é verdade que muitos dos jovens hoje em dia querem é poker , gajas e cigarros mas..

...penso que neste processo existem várias situações que não foram bem explicadas.

Na altura em que li sobre este concurso ainda pensei em participar e tentei informar-me, mas acreditem ou não ninguém me soube explicar muito bem, e após 2 ou 3 tentativas acabei por desistir.

Outra situação que penso ser a razão para não existirem candidaturas é a descrença total em que a maioria da população ( neste caso os jovens ) entrou, por motivos que todos conhecemos. ( o tacho é sempre para os mesmos )

www.eduardoamaral.com

Luis Monteiro disse...

Tenho de admitir que sou um privilegiado por ter leitores como vocês.
Senti-me tentado a colocar uma terceira hipótese, a saber: a responsabilidade deste falhanço pode ser atribuída à falta de canais de comunicação e/ou técnicos especializados nestas andanças. O receio de ser tomado como um oportunista ou uma pessoa à procura de um “tacho”, levou-me a colocar apenas duas hipóteses.
Depois de ler as vossas análises - com fundamento e extremamente oportunas - reparei que não sou o único a pensar daquela forma. A culpa não pode ser atribuída de uma forma simplista e bipolar. Os responsáveis que continuam a querer fazer as coisas de forma amadora, que ainda não viram a importância que a Comunicação tem na nossa - complexa - sociedade, voltaram a levar com um balde de água fria. Como se o falhanço do modelo Friagris (e não só, infelizmente!) não lhes tivesse ensinado nada, persistem em cometer os mesmos erros de sempre. Depois, atribui-se a culpa aos outros e a coisa está feita.
Resta esperar por melhores dias para estas “coisas à século XXI” que Seia teima em não adoptar.

Rita disse...

Concordo e subscrevo.
E mais, quero mesmo acreditar que tudo isto é uma falha a nível de comunicação, e que não haja segundas intenções nesta omissão de informações.
Se a câmara quer atrair jovens empreendedoristas, que acreditem que Seia pode andar para a frente e dar oportunidades de trabalho, que dê o primeiro passo: empregar nos seus quadros pessoas com formação e competência para a função que lhes foi atribuída.